Saída de fevereiro de 2017 – Várias tempestades Geomagnéticas

“e uma overdose generalizada de aurora Boreal…..”

A foto abaixo retrata o fim de uma viagem fantástica com 21 brasileiros no total e onde tivemos o privilégio de pegar uma período de fortes radiações vindas do sol, formando auroras boreais inesquecíveis, o que chamamos de tempestade geomagnética. Isto ocorre quando o campo magnético da terra, localizado nas regiões polares,  são atingidos  pelos “ventos solares” trazendo as “luzes do norte” de forma assustadora como vcs poderão acompanhar por aqui:

A viagem começou no dia 22 de fevereiro quando partirmos de Oslo com direção as ilhas Loføten, belíssimo arquipélago no norte da Noruega, maior centro de pesca do bacalhau no mundo,  localizado além do círculo polar e em pleno Oceano  Ártico. Como já narrei por aqui, essas ilhas assim, como todo nosso roteiro percorrido, localizam-se em regiões polares no norte da Escandinávia, na região da Lapônia oceânica norueguesa, bem como na Lapônia continental da Finlândia.

Como sempre a previsão do tempo estava instável, mostrando que poderíamos ter um pouco de dificuldade no início da viagem mas com uma melhora gradativa durante ela. Foi exatamente isso que aconteceu…

Ao chegarmos ao belíssimo arquipélago acima citado pudemos observar qua grande parte das Ilhas estavam com tempo semi aberto, possibilitando que talvez pudéssemos tentar ver as luzes da aurora boreal já naquela primeira noite ou na noite seguinte. Fomos ao hotel e de lá fomos passear no centrinho de Svolvaer, a “capital” daquele arquipélago. Mas, como muitas vezes ocorre no ártico, o tempo resolveu fechar de vez num raio de 200 km e pelas nossas pesquisas não haveria chances para o grupo fugir das nuvens e ver sua primeira aurora boreal. Como era primeira noite, resolvi oferecer uma saída em meio à queda de neve, apenas para conversarmos, fazermos uma pequena aventura, ouvirmos musica e sairmos do hotel. Como esperado o tempo estava mesmo caótico e voltamos brevemente.

Na manhã seguinte acordamos sob um sol lindo em um céu turquesa e com previsão de radiação formadora da aurora boreal chegando na Terra. Era nosso dia de passeio diurno para o interior da Ilha, onde fica o maior e mais preservado Museu Viking da Terra, na localidade chamada Borg, foto abaixo com o grupo na casa viking:

A expectativa para nós organizadores era ótima, dia lindo, com provável noite perfeita mas, mesmo assim, nessas horas, quando o grupo ainda não viu sua primeira aurora boreal, preferimos não comentar muito sobre os sinais positivos de forma a relaxar o pessoal e não causarmos possível frustração. Por dentro eu sabia que provavelmente teríamos festa em breve e bem na data do carnaval…

A noite o tempo se mantinha aberto e ficou fácil, eu sabia que precisava apenas dirigir com o grupo para um local aberto, sem montanhas atrapalhando, virado para o norte e as chances seriam boas. Assim ocorreu e por toda aquela noite de nosso segundo dia de viagem pudemos ver a primeira aurora boreal do nosso grupo. Era uma aurora boreal não muito forte nos movimentos, mas muito bela, sobre a agua, refletindo e muito fotogênica.  Mais uma vez, grupo após grupo, ano após ano, nosso trabalho pioneiro entregava 100% de aproveitamento no que se referia ao avisamento da aurora boreal. Nesse caso, já no segundo dia  o “carnaval” de luz brasileiro já se iniciava nas passarelas da Sapucaí e também nos céus do Ártico.

Fotos daquela noite:

A festa de fato foi ótima e, embora fosse um grupo grande, a sintonia estava afinada, todos na mesma “vibração positiva”. Noite muito agradável com todos nós muito felizes.

Era a primeira aurora de todos ali, e em um local que conhecemos por ser ótimo para ver a aurora sobre o mar, virada para o norte o que nos faz vê-la antes e por mais tempo, bem escuro e pertinho do hotel, não mais do que meia hora. Ficamos horas conversando, fotografando e voltamos ao hotel com sentimento de sonho realizado.

Em noites com aurora boreal no céu, principalmente a primeira, minha sensação pessoal é indescritível, não só pela paixão que tenho ao ver essas luzes, mais e mais, como em um vício, mas também por tirar dos meus ombros o peso de querer e precisar mostrar aos novos amigos, pessoas boas e interessantes, de todos os cantos do Brasil, a beleza deste fenómeno incrível. O prazer de ajudar a realizar sonhos de pessoas que confiaram na minha ideia e se inspiraram nos nossos sonhos é algo maravilhoso, tão bom quanto poder ter o privilégio de ver a própria aurora.

Nesse espirito embarcamos de carro no dia seguinte para outro passeio indescritivelmente belo que é atravessar as Ilhas Loføten de norte a sul, com sol, montanhas descobertas, fiordes e casinhas coloridas, até o vilarejo de Reine, considerado por muitos um dos mais belos e bucólicos cenários da Noruega e do mundo, como se pode observar pelas imagens abaixo:

Em frente ao nosso hotel antes de começarmos a viajar pelas Ilhas.

Vilarejo de Hennigsvaer, centro da pesca do bacalhau norueguês.

A belíssima Reine, vilarejo na penumbra do por do sol.

Um pouco mais de Reine e sua casinha de pescador de bacalhau, debruçada em frente ao fiorde com montanhas ao fundo.

No fim daquele belíssimo dia partimos de navio cruzeiro Hurtigruten em direção à cidade de Tromsø, capital da aurora boreal na Escandinávia. Como sempre fazemos, pegamos o navio às 22 h e nele pernoitamos até a tarde do dia seguinte quando chegamos ao destino final. O navio, muito confortável, possui cabines com suite para todos, bares, restaurantes e também um deck aberto e escuro para observação da aurora boreal em casos de avisamento, o que não foi o caso neste terceiro dia de viagem e assim pudemos dormir e descansar bastante. Muita coisa boa ainda estava por vir…

Foto de nossa chegada em Tromsø:

Ao chegarmos em Tromsø a expectativa de observação da aurora boreal era ótima. Já sabia que encontraria boa radiação  formadora da aurora e o tempo estava aberto. Assim, planejei uma saída onde pudéssemos ter o maior numero de horas olhando o céu noturno sem nuvens dentro do possível, em um lugar especial que gosto muito por  possuir o horizonte quase plano e sem montanhas em todas as direções.

Assim, partimos em direção a uma Ilha a noroeste de Tromsø, não muito longe, 40 minutos apenas e lá pudemos observar a aurora boreal desde o momento que começou a ficar escuro até bem tarde da noite. Acabamos vendo as luzes em 3 locais diferentes na mesma região, na mesma noite, uma verdadeira “overdose” de aurora boreal para todos. No primeiro lugar em Kvaloya, a aurora assustou ao formar um arco que parecida feito de matéria rígida de tão nítida, se retorcendo como cobra, em uma luz branca, parecendo louça, muito forte. No final da noite outra explosão aconteceu, dessa vez  em cima do mar, refletindo na água, fechando uma noite incrível!

Abaixo um dos vídeos nesta noite:

Depois daqueles dias mágicos em Tromsø partimos para o nosso chalé exclusivo na minúscula vila chamada Kilpisjarvi, na Lapônia finlandêsa e que fica à cerca de 4 horas de distância de van.

Esses chalés que descobrimos quase 10 anos atrás e que ficam no meio do nada, são muito especiais para nós, quase uma segunda casa, onde os donos do condomínio nos tratam como da família e nos recebem da melhor forma possível.

Kilpisjarvi é um dos melhores locais do mundo para se observar a aurora por ter um micro clima onde o tempo tem poucas nuvens, quase desértico, isolado de luzes artificiais de cidades, em altitude de cerca de 650 m sem praticamente qualquer partícula de poluição e umidade no ar.

Nos chalés temos 4 quartos duplos por chalé com sauna, tv à cabo, wifi, lareira, aquecimento perfeito, spa com sauna grande para todo o grupo, jacuzzi e possibilidade de mergulho no lago congelado. O tal mergulho no lago congelado já se tornou uma tradição e sempre a maioria de nossas participantes experimenta esta tradicional cultura da finlandêsa.

Abaixo um exemplo da experiência:

https://www.youtube.com/edit?o=U&video_id=rtU69QU705E

Nas duas noites em que permanecemos no chalé o planeta foi atingido em cheio por vários dias de radiação extrema vinda do sol, no que chamamos de Tempestade Geomagnética G2, algo incomum e que não acontece toda hora. O céu apresentava algumas nuvens sobre o chalé na primeira noite e após pesquisa percebi que se dirigisse cerca de 60 km, conseguiria fugir das nuvens e teríamos uma noite fantástica. Assim fizemos. Dirigi até Skibotn e na beira do fiorde, em um recuo perfeito e bem seguro, virado para noroeste, pudemos ver e fotografar a aurora por horas. Ela explodia”sobre nossas cabeças, parecia que poderíamos pegar ela com as mãos. Os movimentos de abertura em leque, rápidos, como uma cortina ou cauda se abrindo e fechando assustava. Realmente uma grande, se não a maior, maravilha do mundo natural.

Na segunda noite foi ainda mais fácil, assim como no grupo anterior em janeiro, a aurora explodiu em cores sobre o nosso chalé, fazendo com que não precisássemos nem mesmo entrar no carro, e coincidiu com a data onde fazíamos nossa despedida no spa. Ou seja, enquanto bebíamos e comíamos queijos e vinhos ouvindo musica, fazendo sauna, mergulhando no gelo e voltando pra jacuzzi, ao mesmo tempo a aurora dançava para nós ali fora, com todo conforto. Foi mais uma noite inacreditável, todos ficaram loucos e não era para menos.

Seguem outros videos e fotos:

 

Festa do grupo com a aurora boreal dançando em frente à nossa jacuzzi:

E assim finalizamos nossa grande viagem do grupo de fevereiro de 2017. Dias incríveis, com fortes auroras no céu, grupo fantástico, sempre com a energia positiva e diversão garantidas.  Fizemos sem dúvida, mais uma vez, uma das viagens mais incríveis que se pode fazer turisticamente no mundo e cada momento ficará para sempre marcado na memória de todos.

Posts de saídas anteriores a esta de fevereiro até as saídas de dezembro de 2015, estão sendo atualizadas e estarão em breve aqui.

Um abraço

Daniel Japor

 

 

 

5 thoughts on “Saída de fevereiro de 2017 – Várias tempestades Geomagnéticas

  1. Gostaria de externar meu agradecimento ao Daniel Japor pelos dias de “caçada” à Aurora Boreal. Não medindo esforços para proporcionar a melhor visão do mais belo e único espetáculo da natureza. Com certeza retornei numa outra oportunidade para rever essa “dança” de luzes e cores. Abraços. Rone.

    1. Beth dielE:Hssioenvelhecer é um grande problema!A gente continua jovem por dentro mas a parte externa não acompanha. A cabeça quer correr, mas a carcaça não concorda, risos.Só tem uma solução, fazer um grande Acordo!Abs.

  2. Daniel Japor e Jonatas, só temos a agradecer pela oportunidade única de realização deste nosso sonho! Foi maravilhoso e emocionante ver e, porque não dizer, sentir a Aurora Boreal! Simplesmente espetacular! E que venha o Alaska em 2018!!!
    Muito obrigada!!

    1. Thanks for stopping by. I’m not sure about your comment about my other cotemnemrs, but if you are interested in more about me and my other social media feeds, all of my publicly available ones are in the blog sidebar.

  3. Danielle disse:Oi Lina! Ficarei cinco dias em Paris porém chegarei as 12h e sairei as 13h. De lá irei pra Itália. Qual dos 4 dias vc reedcmnoa que eu divida em duas partes? Estou um pouco perdida! Obrigada! Ah, Meu guia já chegou e estou gostando muito!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *